quarta-feira, 30 de abril de 2008

Sonho da tríplice coroa embala Palmeiras contra Sport

Time de Vanderlei Luxemburgo precisa de um empate com gols nesta quarta para se classificar na Copa do Brasil

Juliano Costa - Jornal da Tarde

Luxemburgo quer o time concentrado no duelo

Arquivo/AE

Luxemburgo quer o time concentrado no duelo

RECIFE - Perto de levar o título do Campeonato Paulista e já com o planejamento pronto para o Brasileirão, o Palmeiras encara o Sport nesta quarta-feira, às 21h50 (com acompanhamento do estadao.com.br), em Recife, tentando avançar às quartas-de-final da Copa do Brasil para manter vivo o sonho da Tríplice Coroa - ou seja, a conquista dos três títulos mais importantes para um time brasileiro em território nacional durante a temporada.

O trunfo palmeirense para alcançar o feito é Vanderlei Luxemburgo, que já conquistou a Tríplice Coroa com o Cruzeiro, em 2003 - foi campeão mineiro, da Copa do Brasil e do Brasileirão. "Um técnico como ele sabe exatamente como montar um grupo para conquistar esses três objetivos", disse o volante Martinez, que defende hoje o Palmeiras e estava naquela vitoriosa campanha cruzeirense. "Ele sabe como manter os jogadores motivados e focados sempre no maior objetivo possível. O Vanderlei nunca se satisfaz só em se classificar. Ele quer é ser primeiro, sempre."

Para isso, Luxemburgo tem trabalhado mais nos bastidores do que dentro de campo. O técnico já passou para a diretoria do clube e o staff da Traffic (a parceira palmeirense) o planejamento para o Campeonato Brasileiro, que prevê até três jogadores para cada posição - o normal é duas opções. E ele ouviu a confirmação de que será atendido.

Jogadores como o lateral-direito Fabinho Capixaba e o volante Sandro Silva, ambos do Mirassol, além do volante Jumar, do Paraná, serão as chamadas peças de reposição para possíveis lesões dos titulares Elder Granja e Pierre, por exemplo. Além disso, há uma série de jogadores que podem ser negociados na abertura do mercado europeu, em agosto, como o zagueiro Henrique, o meia Valdivia e o atacante Kléber. Por isso mesmo, o atacante Keirrison, do Coritiba, e o meia chileno Villanueva, do Audax Italiano, já estariam apalavrados com a Traffic.

Mas, enquanto o Brasileirão não começa e os reforços não chegam, Luxemburgo faz seus jogadores manterem o foco no Sport - estão todos proibidos de falar da Ponte Preta, adversária de domingo, no Palestra Itália. A final do Paulistão só voltará a ser assunto no Palmeiras depois do jogo desta quarta-feira em Recife.

"Vai ser uma partida complicada, porque o estádio deve lotar e o Sport não vai vir logo com tudo pra cima. Eles vão se defender bem, como já fizeram no jogo do Palestra", afirmou o atacante Kléber. Na primeira partida desse confronto na Copa do Brasil, os times ficaram no 0 a 0. Hoje, um empate com gols dá a classificação ao Palmeiras - um novo 0 a 0 leva a decisão para os pênaltis. E para a equipe pernambucana, só resta a vitória.

Apesar da dificuldade do jogo, Luxemburgo não descarta poupar alguns titulares em Recife, visando a decisão contra a Ponte. Elder Granja e Pierre, justamente os dois "sem reservas", podem ser poupados nesta quarta-feira, como já foram no jogo de ida contra o Sport. E Henrique, muito gripado, pode dar lugar a David.

SPORT

O técnico do time pernambucano, Nelsinho Baptista, tem desfalques importantes para o jogo desta quarta-feira: o lateral-direito Luisinho Netto e os volantes Sandro Goiano e Bia (que é reserva), todos suspensos.

Sem um reserva imediato para a lateral, Nelsinho deve improvisar o meia Diogo na posição, já que precisa da vitória para se classificar. No meio-de-campo, Kássio é o favorito para entrar na vaga de Sandro Goiano.

Nelsinho e seus jogadores confiam na força da torcida para avançar na competição. "Somos muito fortes na Ilha do Retiro", avisou o atacante Carlinhos Bala.

Chelsea e Liverpool definem nesta quarta o 2.º finalista

Depois de empatar o primeiro confronto em 1 a 1, equipes voltam a se enfrentar no Stamford Bridge

Agência Estado

Rafa Benitez espera a classificação do Liverpool

Eddie Keogh/Reuters

Rafa Benitez espera a classificação do Liverpool

LONDRES - Chelsea e Liverpool decidem nesta quarta-feira quem irá fazer a final inglesa com o Manchester United na Liga dos Campeões da Europa. Os dois rivais se enfrentam a partir das 15h45 (horário de Brasília), em Stamford Bridge - o estádio do Chelsea -, em Londres, onde o Liverpool não costuma ter muito sucesso.

Desde que passou a ser comandado pelo técnico espanhol Rafa Benitez, em 2004, o Liverpool já enfrentou o Chelsea oito vezes em Stamford Bridge e não conseguiu marcar um único gol sequer. E, se não quebrar esse jejum nesta quarta-feira, será eliminado da Liga dos Campeões, pois, como ficou no 1 a 1 no primeiro confronto da semifinal, precisa da vitória ou de um empate com gols.

"Temos vários jogadores que sabem fazer gols, como Torres, Gerrard, Babel, Crouch, Xabi Alonso. Um gol pode ser o suficiente para nós", afirmou Rafa Benitez, que, no entanto, terá outro desafio nesta quarta-feira. O Chelsea não perde em seu estádio há 81 partidas - desde fevereiro de 2006 -, o que torna a missão do Liverpool ainda mais complicada.

"Tenho de admitir que o Chelsea entrará em vantagem. Mas temos condição de conseguir a vaga na final", disse o meia Gerrard, capitão do Liverpool. Ele sabe que a tradição conta a favor de seu time, que já conquistou o título da Liga dos Campeões cinco vezes, enquanto o rival inglês não chegou sequer a uma final.

O Liverpool, inclusive, enfrentou e venceu o Chelsea em duas das três últimas edições da Liga dos Campeões, sempre nas semifinais - em 2005 e 2007. Dessa vez, no entanto, o time de Londres tem a vantagem de jogar em casa e, aparentemente, vive um melhor momento.

O Chelsea venceu o Manchester United no último sábado e, com isso, empatou com o próprio Manchester na liderança do Campeonato Inglês - faltando duas rodadas, os dois disputam o título jogo a jogo, enquanto o Liverpool já está fora dessa briga. Para completar, o time de Londres terá os retornos do ganês Essien, que cumpriu suspensão, e do inglês Lampard, recuperado após a recente morte de sua mãe.

segunda-feira, 28 de abril de 2008

Corinthians apresenta meio-campista Eduardo Ramos

Novo reforço se diz pronto para estrear já na quarta-feira, 30, contra o Goiás, pela Copa do Brasil

Agência Estado

Eduardo Ramos mata a bola no treino

José Luis da Conceição/AE

Eduardo Ramos mata a bola no treino

SÃO PAULO - O Corinthians apresentou nesta segunda-feira, 28, mais um reforço para a Série B do Campeonato Brasileiro. O meia Eduardo Ramos, de 22 anos, destaque do Anápolis no Campeonato Goiano, chegou ao Parque São Jorge e disse que está à disposição para jogar na quarta, contra o Goiás, pela Copa do Brasil.

"Começo uma vida nova aqui no Corinthians, e espero conquistar os objetivos. Estou muito feliz por chegar ao time e pretendo ajudar a equipe. Se estiver a disposição já na quarta-feira, pretendo ajudar de alguma forma. Entrar no jogo e ajudar a equipe a conquistar a classificação", disse o jogador.

Nas categorias de base, Eduardo Ramos defendeu o Goiás - adversário de quarta-feira - e o Grêmio, onde conheceu o atual treinador corintiano, Mano Menezes. "Ele foi muito importante para minha chegada à equipe", reconheceu o atleta, que foi com o Anápolis até a semifinal do Goiano deste ano.

Vanderlei Luxemburgo rejeita discurso do 'já ganhou'

Técnico do Palmeiras está preocupado com festa da torcida e quer se concentrar apenas na Copa do Brasil

André Rigue - estadao.com.br

Luxemburgo ordena: é preciso pensar no Sport Recife antes de voltar a pensar na final

Paulo Pinto/AE

Luxemburgo ordena: é preciso pensar no Sport Recife antes de voltar a pensar na final

CAMPINAS - Os torcedores do Palmeiras estão empolgados com a vitória sobre a Ponte Preta por 1 a 0, pela primeira partida da final do Campeonato Paulista. O técnico Vanderlei Luxemburgo, no entanto, não quer saber de comemoração antecipada entre os jogadores e só aceita "algum tipo de festa" depois que o time confirmar o título.


A preocupação do treinador tem lógica. Nesta quarta-feira, o Palmeiras enfrenta o Sport Recife, na segunda partida das oitavas-de-final da Copa do Brasil. Como o primeiro jogo ficou no 0 a 0, o alviverde precisa vencer ou empatar com gols para avançar. E Luxemburgo teme que a empolgação pela vitória sobre a Ponte atrapalhe o rendimento.

"É uma decisão atrás da outra. A Ponte Preta agora é passado", afirma Luxemburgo. "É claro que estamos bem próximos da conquista do Paulistão, mas primeiro temos de pensar no Sport Recife. Se não entrarmos com este espírito, não conseguiremos o nosso objetivo de passar às quartas-de-final".

Luxemburgo reconhece que o Palmeiras está sedento por títulos. A última grande conquista aconteceu em 1999, quando o time era comandado por Felipão - na ocasião levou a Libertadores. "Clube grande precisa vencer. E eu espero que o Palmeiras consiga isso no próximo domingo. Um título no Palestra seria muito bom".

Quem segue a linha de pensamento de Luxemburgo é o zagueiro Gustavo. "O título do Paulistão é decidido em 180 minutos. Não podemos esquecer disso, do contrário estaremos arriscados a perder. Vale lembrar que ainda temos o Sport, e também queremos ir bem na Copa do Brasil."

TREINAMENTO
A delegação do Palmeiras já está em Pernambuco para a disputa da Copa do Brasil. O clube embarcou na noite deste domingo, logo após a vitória sobre a Ponte. Nesta segunda-feira, Vanderlei Luxemburgo comanda um trabalho no Estádio do Náutico. Os jogadores que enfrentaram a Ponte devem apenas fazer exercícios físicos.

QUASE LÁ
A diretoria do Palmeiras esbanjava alegria nos vestiários do Estádio Moisés Lucarelli. O presidente do clube, Affonso Della Monica, acompanhou os jogadores e disse que está muito feliz com a chance de conquistar seu primeiro título como mandatário. "O time está jogando muito bem. Falta pouco..."

sábado, 26 de abril de 2008

Histórico de confrontos entre Palmeiras e Ponte Preta

Em 107 partidas realizadas na história, clube de Palestra Itália venceu em 55 oportunidades

Redação

SÃO PAULO - Ponte Preta e Palmeiras realizarão o 108.º jogo na história. E se depender do retrospecto, os palmeirenses comemorarão neste domingo. O clube de Palestra Itália venceu 55 jogos, perdeu 24 e empatou 28 vezes, segundo números informados pela assessoria palmeirense.

Em jogos disputados apenas no Estádio Moisés Lucarelli, a vantagem também é do Palmeiras: foram 24 vitórias em 57 partidas.

Neste ano, as duas equipes se enfrentaram pela primeira fase do Paulistão. A vitória foi do Palmeiras, por 2 a 1, em jogo no Palestra Itália.

NÚMEROS DO CONFRONTO:

Total de jogos na história: 107

Vitórias do Palmeiras: 55 (183 gols)

Vitórias da Ponte Preta: 28 (111 gols)

Empates: 28

Número de jogos apenas no Paulistão: 73

Vitórias do Palmeiras: 33 (115 gols)

Vitórias da Ponte Preta: 14 (75 gols)

Empates: 26

Número de jogos em Campinas: 57

Vitórias do Palmeiras: 24 (85 gols)

Vitórias da Ponte Preta: 19 (75 gols)

Empates: 14

CURIOSIDADES

Maiores goleadas:

1959 - Palmeiras 6 x 1 Ponte Preta

1939 - Palmeiras 5 x 0 Ponte Preta

1994 - Palmeiras 5 x 0 Ponte Preta

2000 - Ponte Preta 5 x 1 Palmeiras

2005 - Palmeiras 6 x 2 Ponte Preta

Placar mais freqüente:

Em 107 jogos, o placar de 2 a 1 esteve presente em 20 deles

'Torcedor comum' do Palmeiras fica de fora da primeira final

Ingressos disponibilizados para o jogo de Campinas ficam com as torcidas organizadas do clube alviverde

Juliano Costa - Jornal da Tarde

José Patrício/AE - 02/03/2008
Torcedores da Mancha Alviverde durante jogo contra o rival Corinthians, no Estádio do Morumbi

ATIBAIA - Parece incrível, mas a Mancha Verde, mesmo banida dos estádios pelo Ministério Público, conseguiu o que nenhum "torcedor comum" pôde sequer tentar buscar: um ingresso para o jogo contra a Ponte Preta, neste domingo, em Campinas.


A torcida organizada recebeu diretamente do Palmeiras uma carga de mil ingressos para negociar com seus membros. O lote de 2.300 bilhetes que a Ponte destinou ao clube alviverde nem será comercializado. Está tudo "no esquema." "Era para termos recebido 2.600 ingressos, mas vieram só 2.300, a cota exata que havíamos separado para atender às encomendas que recebemos. Não vamos nem abrir as bilheterias. Tudo o que veio já foi repassado para a Mancha, a T.U.P. [Torcida Uniformizada do Palmeiras] e alguns conselheiros e convidados", disse Ebem Gualtieri, quarto vice-presidente do clube.

O "torcedor comum", que não é diretor, conselheiro ou membro de organizada, ficou sem ter como comprar ingresso para apoiar o Palmeiras na decisão do Paulistão. "Infelizmente, não temos ingresso pra todo mundo."

Gualtieri negou que haja privilégios à Mancha, que ficou com a maior parte do lote. "Não há privilégios! Pelo contrário, a Mancha só nos prejudica, sempre. Mas fizeram a encomenda e são palmeirenses também. Comprou, levou." O dirigente garantiu que a Mancha não teve desconto nos ingressos. "Pagaram R$ 40 por cada um, o preço de tabela."

No site da organizada, desde quarta-feira há a chamada para a venda num lugar na caravana que vai a Campinas: por R$ 50, garante-se ingresso e transporte, desde que esteja com a mensalidade em dia. Gualtieri disse ainda que não teme nenhuma nota de repúdio do Ministério Público, responsável por ter banido a Mancha dos estádios - na prática, os integrantes da facção continuam indo aos jogos, mas "à paisana", sem camisas e bandeiras que os identifiquem como sócios da Mancha. "Eles estão suspensos, mas nós não temos nada a ver com isso. São palmeirenses. Não fazemos discriminação."

No início da semana, Gilberto Cipullo, o segundo vice-presidente, havia dito ao JT que não sabia de nenhum esquema de ingressos com a Mancha. Desde maio do ano passado a Torcida Organizada teria deixado de ser bancada em viagens pelo clube. Gualtieri confirma que o Palmeiras não paga mais nenhum centavo à Mancha, mas diz que não vê nada de errado em reservar uma cota para a organizada.

Há entre alguns conselheiros a suspeita que esse "sistema de "encomenda" seja a maneira como cambistas conseguem ingressos com facilidade diretamente no Palmeiras. Gualtieri prometeu apurar o caso. Além dos ingressos, a Mancha ainda receberá tratamento especial da Polícia Militar, que bolou um esquema especial para a chegada dos palmeirenses a Campinas.

SEGUNDO JOGO
Os ingressos para a segunda decisão, domingo que vem, começam a ser vendidos às 10h de terça-feira, no Palestra. Serão 25 mil para palmeirenses e 2.600 para ponte-pretanos (comercializados exclusivamente em Campinas). "Pela demanda de encomenda que recebemos, é bom correr, senão vai esgotar tudo nas bilheterias em menos de uma hora", disse Gualtieri.

sexta-feira, 25 de abril de 2008

Muricy Ramalho alivia a pressão no São Paulo e desabafa

'Quiseram fazer uma ondinha, tentaram me desestabilizar, mas eu não desisto nunca', diz o treinador

Martín Fernandez - O Estado de S. Paulo

Muricy diz que ficará até o fim do contrato

Andre Lessa/AE

Muricy diz que ficará até o fim do contrato

SÃO PAULO - Quando o São Paulo garantiu a vaga nas oitavas-de-final da Libertadores, na noite de quarta-feira, o técnico Muricy Ramalho deu sua resposta aos críticos. "Quiseram fazer uma ondinha, tentaram me desestabilizar, mas eu não desisto nunca", declarou o comandante são-paulino.

A pressão sobre Muricy começou com a má campanha na Libertadores - o São Paulo correu grande risco de não chegar às oitavas-de-final - e só fez aumentar após a eliminação no Campeonato Paulista, diante do rival Palmeiras. Os nomes dos possíveis substitutos já ecoavam pelos corredores do Morumbi.

Até o presidente do Flamengo, Márcio Braga, parecia contar com a demissão de Muricy no São Paulo para tentar contratá-lo para o lugar de Joel Santana. "Grande treinador, top de linha, tem o perfil do Flamengo e o meu aval", disse o dirigente flamenguista na noite de quarta-feira, antes do jogo entre São Paulo e Atlético Nacional.

"É ruim de eu quebrar contrato", avisou Muricy, após a vitória sobre o Atlético Nacional, que garantiu a classificação do São Paulo. "Agora vamos lugar pelo título da Libertadores."

Enquanto isso, o presidente do São Paulo, Juvenal Juvêncio, principal fiador do técnico entre os cardeais tricolores, também garantiu o emprego dele.

MUDANÇAS

O São Paulo agora inscreverá três novos jogadores para as oitavas-de-final da Libertadores. O primeiro a entrar na lista é o lateral-direito Jancarlos, que ocupará a vaga do meia Carlos Alberto, afastado do grupo por indisciplina. Contratado há um mês do Atlético-PR, o jogador ainda não estreou com a camisa são-paulina.

As outras duas vagas, no entanto, estão indefinidas. O São Paulo avalia que precisa de um zagueiro e um meia, reforços que podem chegar justamente para a seqüência da Libertadores. A necessidade é tanta que até Rogério Ceni falou sobre o assunto após a vitória sobre o Atlético Nacional. "Vamos ver como o time fica com os reforços", afirmou o goleiro.

Mas o vice-presidente de futebol do clube, Carlos Augusto Barros e Silva, garantiu que os nomes dos possíveis reforços só serão definidos no final de semana. "Não podemos trazer ninguém de fora do país e isso dificulta", declarou o dirigente.

FORA DE COMBATE

Enquanto dois novos reforços podem chegar antes de segunda-feira, o São Paulo não terá o zagueiro André Dias nos dois jogos contra o Nacional (Uruguai), pelas oitavas-de-final da Libertadores. Ele sofreu um estiramento na coxa direita e ficará afastado no mínimo três semanas.

Por outro lado, o também zagueiro Juninho voltou nesta quinta-feira aos treinos e está liberado pelos médicos para jogar. Ele tinha sofrido uma entorse no joelho esquerdo durante o jogo contra o Sertãozinho, dia 27 de março, pelo Paulistão.

Santos ganha mais um dia para recuperar Molina

Primeiro jogo diante do Cúcuta, pelas oitavas-de-final da Libertadores, acontece na quinta-feira, dia 1.º de maio

Sanches Filho - Especial para O Estado de S. Paulo

Molina tem sido fundamental para o Santos

Arquivo/AE

Molina tem sido fundamental para o Santos

SANTOS - O Santos terá um dia a mais para recuperar o colombiano Molina, com uma lesão de primeiro grau no músculo da coxa direita, para a estréia nas oitavas-de-final da Taça Libertadores da América. É que a Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) confirmou para a próxima quinta-feira (dia 1º. de maio), às 20h30, na Vila Belmiro, o primeiro jogo - inicialmente seria na quarta-feira (dia 30) -, contra o Cúcuta Deportivo, da Colômbia.

O principal responsável pela reação santista na reta de chegada do Campeonato Paulista e o artilheiro do time na Libertadores, com cinco gols, Molina está sem aparecer em campo há nove dias. Ele terminou o jogo contra o Cúcuta, na última rodada da segunda fase da competição sul-americana, se arrastando em campo, em razão da contusão na coxa. Também sofreu um corte no nariz, suturado com dois pontos, mas fez questão de permanecer em campo até mesmo quando Leão mandou Tripodi fazer o aquecimento muscular para substituí-lo, ainda no primeiro tempo. Hoje, Molina deve ser reavaliado e tem possibilidades de voltar treinar em campo na segunda-feira para readquirir ritmo de jogo.

Como Domingos cumprirá suspensão pela expulsão no jogo passado, Leão formou a dupla de zaga com Fabão e Marcelo e manteve Betão improvisado na lateral-direita, no coletivo de ontem cedo no CT Rei Pelé. Devido à ausência de Molina, o meio-de-campo criou pouco e o ataque, com Kleber Pereira e Tripodi, não funcionou.

Fabão, que torceu muito pela vitória dos clubes brasileiros na rodada de quarta-feira, acredita que Cúcuta das oitavas vai ser bem mais difícil do que o time dos dois primeiros jogos contra o Santos. "Mas, não tem segredo. Temos que ganhar de qualquer jeito em casa e depois segurar o empate na Colômbia. Até o empate por 0 a 0 não chega a ser um mau resultado porque poderemos nos classificar com outro empate, desde que seja com gols, lá", analisou o zagueiro.

As negociações com o Atlético-PR para a contratação Edno (disputou o Campeonato Paulista pelo Noroeste) estão paradas porque o jogador teria um pré-contrato com a Portuguesa de Desportos. O Santos oferece um jogador entre Vítor Júnior, Moraes e Carlinhos, em troca por empréstimo. Quanto a Lima, do Juventus, não há novidade. E Wesley considerou muito baixa a proposta do Santos para que ele renove o contrato que termina no dia 22 do próximo mês.

quinta-feira, 24 de abril de 2008

Finazzi aparece de visual novo e fala em uva verde para quarta

Colegas de time brincam com o cabelo do atacante, que foi testado no treino desta quinta no Corinthians

Fábio Hecico - O Estado de S. Paulo

Finazzi e seu novo cabelo, sem explicação

Patrícia Santos/AE

Finazzi e seu novo cabelo, sem explicação

SÃO PAULO - A grande surpresa do treino do Corinthians na manhã desta quinta-feira no Parque São Jorge não foi um novo reforço nem uma mudança revolucionária no time titular que jogará na partida decisiva da próxima quarta-feira, contra o Goiás, pela Copa do Brasil, quando o time alvinegro precisará vencer por dois ou mais gols de diferença. O que chamou a atenção foi o novo visual do atacante reserva Finazzi: ele descoloriu o cabelo, deixando algumas pontas em preto.

Qual a explicação para isso? Chamar a atenção para ganhar a vaga no time? Pagar promessa? Nem o próprio soube dizer. Entende-se pelo que falou que é apenas uma maluquice. "Desde 2000, quando defendi o Sochaux (da França), o pessoal usava esse visual. Pensei que é agora ou nunca para fazer, já que estou ficando careca [risos]. Mesmo se esse visual dar sorte, não vou mantê-lo. Minha mulher falou que eu vou dormir fora de casa e minha filha levou um susto quando me viu".

Por causa do novo estilo do cabelo, Finazzi obviamente foi alvo das brincadeiras dos colegas. "Alguns me chamaram de Ravanelli [ex-jogador italiano que tinha os cabelos brancos por causa genética], mas não sei quem ele é", contou o atacante. "Está feio para caramba. Estamos caçando um apelido", entregou Chicão, na entrevista coletiva, ao ser questionado sobre o assunto.

Não foi pelo visual, mas Finazzi ganhou no coletivo uma chance entre titulares. Foi no finalzinho do treino, quando substituiu Acosta. A baixa que o técnico Mano Menezes teve de encarar foi o volante Bóvio, que saiu de campo machucado após tomar uma pancada. À princípio, a lesão não deve ser grave.

PROVOCAÇÃO?
Sobre o jogo contra o Goiás, Finazzi brincou com a frase de um diretor do time alviverde, na semana passada, que havia dito que seu time "chuparia uma uva roxa", em alusão à terceira camisa corintiana. "É, time que ganha tem direito de falar, quem perde tem de ouvir. Mas assim como tem uma roxa, tem uva verde", lembra o atacante.

Para este jogo contra o Goiás, na quarta-feira que vem no Estádio do Morumbi, o Corinthians anunciou os preços dos ingressos, uma promoção: R$ 10 a arquibancada, R$ 20 a cadeira, e R$ 30 a cadeira especial. Os ingressos já estão à venda, das 11 horas às 17 horas, nestes locais de venda: Estádio do Morumbi; Pacaembu; Parque São Jorge; Canindé; Bruno José Daniel (Santo André); Ginásio do Ibirapuera; Ginásio de Esportes José Corrêa (Barueri); Loja Pitta Sports (Ipiranga, São Paulo); e Shopping Moto e Aventura (centro, São Paulo).

Adriano diz que não vê a hora de voltar a jogar pela Inter

Jogador afirma que está feliz no São Paulo, mas foca no retorno à equipe italiana após recuperação

EFE

Adriano divide bola no jogo contra o Atlético Nacional, pela Copa Libertadores

Paulo Pinto/AE

Adriano divide bola no jogo contra o Atlético Nacional, pela Copa Libertadores

ROMA - O atacante brasileiro Adriano, emprestado pela Inter de Milão ao São Paulo, disse que "não vê a hora" de voltar a vestir a camisa do clube italiano. Em entrevista publicada nesta quinta-feira pelo jornal esportivo La Gazzetta dello sport, o atacante disse que encontrou "o caminho certo" para sua vida pessoal e esportiva, e acrescentou que está feliz por jogar.

O brasileiro ressaltou que agora está mais tranqüilo, que "consegue se concentrar como deve e que isto o ajuda a oferecer mais", por isso espera poder permanecer na Inter até 2010, quando termina seu contrato.

Adriano afirmaria que, para ele, voltar à equipe de cabeça erguida significaria que fez seu trabalho como atualmente. Na última temporada o atacante passou por sua pior fase, por ter estado mais no banco do que em campo.

Na época, o jogador aparecia mais na imprensa por causa de suas festas noturnas do que por suas atuações em campo, uma situação que aborreceu tanto o técnico do time, Roberto Mancini, quanto o presidente e acionista majoritário do clube, Massimo Moratti.

O brasileiro comentou que, ao chegar ao São Paulo, temia não conseguir sair da crise em que havia mergulhado, mas comentou que está feliz com a chegada de seu filho, que já não precisa de acompanhamento psicológico.

Adriano ressaltou que não tem nada contra Mancini e esclareceu que apenas tinha esperado um pouco mais de ajuda de sua parte. Sobre seu compatriota Ronaldo, do Milan, Adriano afirma ter certeza de que voltará a jogar, talvez no Flamengo. Quanto a Ronaldinho Gaúcho, disse não saber o futuro do ex-companheiro de seleção.

Por outro lado, Adriano afirmou que nunca deixou de pensar em voltar a jogar pelo Brasil e que "está pronto", mas ressaltou que quem deve decidir isso é o técnico Dunga.

quarta-feira, 23 de abril de 2008

Berlusconi diz que o Barcelona pede demais por Ronaldinho

Presidente do Milan reclama e imprensa italiana cogita que o valor pedido é de cerca de R$ 132 milhões

EFE

MILÃO - O presidente do Milan, Silvio Berlusconi, afirmou nesta quarta-feira à emissora "Radio Radio" que o Barcelona "pede um valor excessivo" pelo meia-atacante brasileiro Ronaldinho Gaúcho.

"Nós o queremos e ele quer vir para o Milan, mas o Barcelona pediu um valor que todos consideramos excessivo", declarou Berlusconi, confirmando assim a interrupção das negociações.

Há poucos dias, o vice-presidente e chefe executivo do Milan, Adriano Galliani, explicou que não houve uma aproximação entre as posturas das duas equipes.

"Nunca disse que estivéssemos próximos do Barcelona. Uma coisa é estar próximo do jogador e outra estar em relação à equipe", declarou.

Segundo a imprensa esportiva italiana, o Milan oferece cerca de 20 milhões de euros (R$ 53 milhões) pela contratação de Ronaldinho Gaúcho e o lateral Gianluca Zambrotta, enquanto o Barça pede 50 milhões de euros (quase R$ 132 milhões) para liberar os dois.

São Paulo pega time colombiano com a obrigação de vencer

Equipe de Muricy Ramalho encara o Atlético Nacional no Morumbi pela última rodada da Copa Libertadores

Martín Fernandez - O Estado de S. Paulo

Muricy quer esquecer a derrota para o Palmeiras

Arquivo/AE

Muricy quer esquecer a derrota para o Palmeiras

SÃO PAULO - Quando armou este time para disputar a Libertadores, o São Paulo tinha tudo planejado: chegaria à última rodada da fase de grupos classificado e enfrentaria o Atlético Nacional, no Morumbi, pensando apenas em garantir a melhor campanha da competição. Cinco jogos e um choque de realidade depois, o São Paulo recebe os colombianos nesta quarta-feira, às 21h50 (o jogo terá acompanhamento do estadao.com.br), com a corda no pescoço: um tropeço pode significar a eliminação da competição que virou obsessão para dirigentes e torcedores tricolores.

A última vez em que o clube caiu na primeira fase da Libertadores foi em 1987. O São Paulo precisa vencer para garantir o primeiro lugar no grupo e não depender do resultado do duelo entre Sportivo Luqueño e Audax Italiano, no mesmo horário, no Paraguai. "É o jogo para classificar e arrancar para chegar à final da Libertadores", diz Muricy.

Time brasileiro mais bem-sucedido na Libertadores (três títulos e três vices), o São Paulo começou 2008 como favorito ao título. Afinal, manteve a base campeã brasileira do ano passado e ainda trouxe bons reforços - ou assim parecia em janeiro. Hoje, até o presidente Juvenal Juvêncio admite que o clube se equivocou nas contratações.

A saída de Breno, a lesão de Alex Silva (só agora recuperado) e a falta de constância de Juninho não deixaram a zaga repetir o mesmo desempenho espetacular do ano passado. O time que sofreu meio gol por jogo no Campeonato Brasileiro agora é vazado mais de uma vez por partida.

Joilson não mostrou ser um substituto à altura para Souza e a Leandro ainda faz falta. Carlos Alberto já foi afastado e Fábio Santos passou longe de ser uma solução para o meio-de-campo - dificilmente fica após o fim de seu empréstimo, em julho. Por tudo isso, o São Paulo virou um time de poucas opções. Os cruzamentos de Jorge Wagner para Adriano (único reforço elogiado pelo presidente) e as jornadas inspiradas de Borges são as melhores - talvez únicas - armas deste São Paulo versão 2008. "Vai ser um jogo muito duro", prevê Muricy. "Eles não vão ficar todos atrás, retrancados, não é o estilo colombiano. Vamos ter que jogar muito para superar o Nacional."



O EX-FAVORITO

O sorteio dos grupos da Libertadores só reforçava a impressão de favoritismo tricolor - apontado ao lado do Boca Juniors de Riquelme como o principal candidato ao título. Mas a esquadra de Muricy Ramalho só cambaleou em 2008: empatou ante o Nacional na Colômbia e o Luqueño no Paraguai e perdeu para o Audax no Chile. No Morumbi, venceu estes dois últimos adversários por diferença mínima. "Esse negócio de favorito nunca existiu. Vocês é que inventaram", diz Muricy. "Nós sempre trabalhamos aqui como um time que tem chance de título, como qualquer outro."

Richarlyson, porém, tem opinião diferente. "Fomos surpreendidos", admite Richarlyson, que volta nesta quarta-feira ao time, depois de ter assistido de casa ao jogo contra o Palmeiras. Superar a eliminação no Campeonato Paulista, aliás, é outro obstáculo para o São Paulo. "Já acabou o tempo de poder ficar triste, agora tem outro jogo e precisamos seguir em frente", prega Muricy. "Felizmente o futebol nos dá a rápida possibilidade de recuperação", emenda Richarlyson.

terça-feira, 22 de abril de 2008

Meia Valdívia faz juz ao apelido de 'louco'

Adversários não gostam das 'provocações' do meia chileno, que é defendido pelo elenco do Palmeiras

Daniel Akstein Batista - O Estado de S. Paulo


Valdívia 'pede silêncio' após o segundo gol

Filipe Araújo/AE

Valdívia 'pede silêncio' após o segundo gol

SÃO PAULO - O apelido de "louco" que Valdivia ganhou no Chile não foi à toa, não. Seu comportamento dentro e fora de campo explica a fama. Ele chama os adversários para o drible, os provoca, irrita todo mundo. E apanha de todos eles. Na vitória sobre o São Paulo, domingo, no Palestra Itália, a história não foi diferente. Após o segundo gol, fez um gesto de cala-boca aos são-paulinos. E armou a confusão.

A cena não é nova. Contra o Corinthians, na primeira fase, provocou os rivais ao comemorar seu gol com as mãos nos olhos, chorando de alegria. E repetiu a festa também contra o São Paulo na goleada por 4 a 1, em Ribeirão Preto. "Ele tem muita qualidade, prende a bola. E sua irreverência deixa os adversários com raiva", diz o volante Wendel.

O modo como Valdivia joga irrita os rivais. Seu chute no vazio (jogada em que simula um chute, mas sai para o drible) já foi criticado por alguns adversários. Ele é provocador, mas acentua suas provocações quando o resultado já está pronto, quando o Palmeiras está ganhando com tranqüilidade.

Por tudo isso, o chileno já levou broncas de Vanderlei Luxemburgo. Até mesmo no domingo. O treinador não gostou nada de ver o Mago no meio da confusão que ocorreu após a queda de energia no estádio, aos 40 minutos do segundo tempo.

A preocupação do técnico era com uma provável expulsão de Valdivia. Ele já havia recebido cartão amarelo antes e, na hora do empurra-empurra, levou um tapa de Rogério Ceni no rosto. Os são-paulinos estavam inconformados com as atitudes do chileno. "O que ele faz em campo às vezes irrita os adversários. É por isso que é perseguido", diz o zagueiro Henrique.

Os são-paulinos não fizeram questão nenhuma de esconder o descontentamento com o jogador. "Todas as vezes em que o Palmeiras está envolvido em polêmica, o nome dele aparece no meio. Será que todos estão errados e só ele certo?", desabafou o volante Jorge Wagner.

No domingo, na primeira partida da final contra a Ponte Preta, Valdivia dificilmente deixará seu ímpeto provocador de lado. Mas terá de tomar cuidado: novo cartão amarelo o deixará fora da decisão.

"O grupo que vai ser campeão", nas palavras de Luxemburgo, nunca esteve tão perto de um título. A vitória sobre o São Paulo pôs o time na final do Estadual após nove anos. A torcida comemora, os jogadores estão ansiosos. Mas o assunto que começa a ganhar destaque no clube é outro: o jogo de ida das oitavas-de-final da Copa do Brasil, na quinta-feira, contra o Sport, no Palestra Itália. "Já passamos uma borracha no clássico", conta Wendel. "Temos de esquecer a euforia da vitória [de domingo], já vibramos bastante. Agora é pensar no Sport."

Majestoso e Palestra Itália confirmados na final do Paulistão

Primeiro jogo será realizado em Campinas, no domingo, às 16 horas, após acordo entre Palmeiras e Ponte

Milton Pazzi Jr. - estadao.com.br


Della Monica comemorou a confirmação de que o Palmeiras jogará em seu estádio

Arquivo/AE

Della Monica comemorou a confirmação de que o Palmeiras jogará em seu estádio

SÃO PAULO - As expectativas foram confirmadas. As finais do Campeonato Paulista serão disputadas nos estádios de Ponte Preta e Palmeiras, respectivamente, nos próximos dois domingos, às 16 horas. O acordo foi fechado entre os clubes e anunciado pela Federação Paulista de Futebol (FPF) na manhã desta terça-feira. Os ingressos de arquibancada custarão R$ 40 e serão destinados 2.600 ingressos para os torcedores que forem visitantes em ambas partidas.


A escolha do estádio palmeirense, porém, segue ameaçada. É que o caso do gás no vestiário no intervalo do clássico do último domingo entre Palmeiras e São Paulo será avaliado e pode ser julgado pelo Tribunal de Justiça Desportiva de São Paulo (TJD-SP), correndo o risco de punição, até mesmo com a perda de mando de campo. "Se ocorrer este fato, haverá uma nova reunião a este respeito. Aí decidimos o que fazer", resume o presidente do Palmeiras, Afonso Della Monica.

"Felizmente a Federação foi democrática, nenhuma torcida foi prejudica. Isso que vale no futebol, premiar o clube, tem de jogar em casa. Acertadamente estão sendo feitos os jogos em suas casa", complementa Della Monica.

O presidente da FPF, Marco Polo Del Nero, evitou dar detalhes sobre o destino do caso. "Não sou eu quem decide pelo tribunal de justiça. São eles quem vão resolver. Se houve o registro na súmula, esta é encaminhada para o tribunal e lá eles avaliam o que fazer. Não posso falar antes de uma decisão", disse o dirigente. A expectativa, após os problemas da segunda-feira, com os times registrando boletins de ocorrência, é que até o fim da semana o tribunal anuncie se vai ou não julgar o caso.

SEM CRISE
Por outro lado, quem também comemorou a confirmação de que a final será realizada em seu estádio é o presidente da Ponte Preta, Sérgio Carnielli. Ele disse, na entrevista coletiva, que confia na transparência da arbitragem para os jogos, quebrando a possibilidade de problemas por erros que aconteceram nas finais anteriores que o time disputou e, para sua torcida, não venceu por causa disso.

"É difícil falar da cabeça de juiz. Mas as atuações estão acima da média, em alguns jogos o juiz erra, mas acredito que nos dois jogos finais não teremos problemas", diz. Neste primeiro jogo, a torcida ponte-pretana terá à disposição 16 mil ingressos.

Sobre a arbitragem, por sinal, a Comissão Estadual pretende anunciar os nomes que participarão do sorteio na quarta-feira. O coronel Marcos Marinho não quis adiantar nomes nem confirmou o veto a Paulo César Oliveira, pedido pelo Palmeiras durante o Paulistão. "Existe um pedido do Palmeiras para que ele não apite seus jogos, mas ainda não decidi. Não tem veto nenhum a ninguém", garante Marinho.

segunda-feira, 21 de abril de 2008

Ex-dirigente da Juventus diz que não há jogadores gays

Luciano Moggi é criticado por membros da comunidade gay por suas declarações 'homofóbicas'

EFE


TURIM - Luciano Moggi, ex-diretor-geral da Juventus e principal acusado no escândalo conhecido como "Calciocaos", disse que no mundo do futebol não há homossexuais, já que um gay "não poderia ser jogador" e que ele é contrário à sua presença nas equipes.

"No futebol não há homossexuais. Não sei se os jogadores são contra a presença deles nas equipes. Eu, certamente, sou contra", disse Moggi em entrevista ao jornalista italiano Klaus Davi.

O ex-diretor-geral do clube de Turim afirmou que a Juventus não teve jogadores homossexuais durante sua gestão e que não contrataria um atleta com essa opção sexual. "Eu conheço o ambiente deste esporte e um gay não pode viver nele. Um homossexual não pode ser jogador. O mundo do futebol não foi feito para eles. É um ambiente particular, os atletas ficam nus no vestiário", afirmou Moggi.

A entrevista polêmica do ex-cartola provocou críticas. Franco Grillini, ex-deputado socialista e presidente de honra do movimento gay "Arcigay", disse que Moggi é um "vulgar homófobo" e que o melhor que poderia fazer "é aposentar-se e calar-se".

Grillini afirmou que "uma pessoa que teve problemas com a Justiça, como Moggi, deveria ter o bom gosto de evitar moralismos".

Vladimir Luxuria, transexual e ex-deputado comunista, declarou que alguns desejam colocar os homossexuais em "reservas indígenas" e assegurou que a capacidade profissional não se mede com a orientação sexual.

Para Luxuria, o homossexualismo no futebol "existe, mas os jogadores gays não encontram o clima ideal para poder se assumir."

Kaká faz três e Pato um na goleada de 5 a 1 do Milan

Meia fez dois gols de pênalti e o atacante fechou a goleada; Juventus diminui vantagem na classificação

EFE


Kaká comemora com a torcida milanista

Daniel Dal Zennaro/EFE

Kaká comemora com a torcida milanista

MILÃO - Com três gols de Kaká e um de Alexandre Pato, o Milan goleou neste domingo o Reggina por 5 a 1 em San Siro pela 34.ª rodada do Campeonato Italiano, que teve ainda como destaques a boa vitória fora de casa da Juventus sobre o Atalanta e o empate da Roma em casa com o lanterna Livorno.



Além da grande exibição dos brasileiros, a goleada do Milan é importante para que a equipe, quinta colocada, não se distancie da Fiorentina, quatro pontos acima na tabela e que venceu o Palermo por 1 a 0 no sábado.

Em duas cobranças de pênalti, Kaká marcou os dois primeiros gols do Milan, aos oito e aos 34 minutos do primeiro tempo. Os visitantes descontaram com Barreto aos 40 da primeira etapa, mas a reação parou por aí. No segundo tempo, o Milan prosseguiu com o massacre. Aos 23, Kaká marcou seu terceiro, e cinco minutos depois Inzaghi fez o quarto. Alexandre Pato fechou a goleada a um minuto do fim da partida.

A Juventus também obteve um grande resultado ao golear a Atalanta fora de casa por 4 a 0 e diminuir para cinco pontos a desvantagem em relação à vice-lider Roma. A equipe de Turim abriu o placar no primeiro minuto com o zagueiro Legrottaglie e ampliou cinco minutos depois com Del Piero, que fez o primeiro de seus três gols na partida. O craque italiano completou a goleada ao marcar aos 33 do primeiro tempo e 11 da segunda etapa.

Já a Roma tropeçou feio no sábado em casa ao empatar em 1 a 1 com o Livorno - lanterna do campeonato ao lado de Empoli e Reggina - e ainda perdeu seu atacante e capitão Francesco Totti devido a uma ruptura no ligamento cruzado do joelho direito. O time da capital italiana abriu o placar com o montenegrino Vucinic, mas sofreu o empate a sete minutos do fim, gol de Diamanti.

Também no sábado, a Fiorentina bateu o Palermo por 1 a 0, gol de Donadel, e se mantém quatro pontos à frente do Milan e dentro da zona de classificação para a Liga dos Campeões.

A Sampdoria também conseguiu uma ótima vitória de 3 a 0 sobre a Udinese, concorrente direto a uma vaga na Copa da Uefa, e se manteve na sexta posição, com os mesmos 55 pontos do Milan e quatro a mais que a rival deste domingo.

Nas demais partidas da rodada, o Napoli afundou ainda mais o ameaçado Parma ao derrotá-lo fora de casa por 2 a 1, o Cagliari venceu o Empoli por 2 a 0, o Catania derrotou a Lazio por 1 a 0 e o Genoa bateu o Siena fora de casa também pelo placar mínimo.

sábado, 19 de abril de 2008

Santos diz que renovou contrato com Kléber Pereira

Atacante ficaria no time até o fim do ano que vem, mas irmão e empresário do jogador ainda não confirmam

Agência Estado

Fica ou não, eis a dúvida com Kléber Pereira

Arquivo/AE

Fica ou não, eis a dúvida com Kléber Pereira

SANTOS - O Santos anunciou, nesta sexta-feira, a renovação do contrato do centroavante Kleber Pereira até dezembro de 2009. O atual vínculo do jogador iria se encerrar em junho, mas o clube garantia que tinha um acordo que renovava automaticamente o contrato até o final de 2008. Daniel Pereira, empresário e irmão do atleta, no entanto, não confirmava essa informação.

"O presidente sempre teve a intenção de renovar o contrato do Kleber até o fim de 2009 e ficou muito feliz por tudo ter dado certo. É um ótimo atleta e se identificou com o Santos", afirmou Norberto Moreira da Silva, vice-presidente do clube.

A demora para formalização de um novo acerto aumentou as especulações sobre a possibilidade de Kleber Pereira se transferir para o Corinthians ou retornar para o futebol mexicano.

Kleber Pereira chegou ao Santos em 2007 e foi artilheiro da equipe na temporada com 16 gols, ao lado de Marco Aurélio. Neste ano, o centroavante já marcou 17 vezes e lidera a artilharia do Campeonato Paulista com 13 gols.

Brasil, de Marta, goleia e garante vaga nas Olimpíadas

Brasileiras goleiam Gana por 5 a 1 e vão a Pequim com chances de conquistar primeiro ouro no futebol do País

Tercio David -


Aline comemora o terceiro gol do Brasil na goleada por 5 a 1 sobre Gana: classificação com estilo

Greg Baker/AP

Aline comemora o terceiro gol do Brasil na goleada por 5 a 1 sobre Gana: classificação com estilo

SÃO PAULO - A equipe de Marta, Cristiane, Formiga e companhia finalmente garantiu uma vaga nos Jogos Olímpicos de Pequim, e com direito a goleada. Vice-campeão Mundial, medalha de prata em Atenas e campeão pan-americana, o Brasil venceu Gana por 5 a 1, na manhã deste sábado, em Pequim, no jogo repescagem valendo a última vaga do futebol feminino nas Olimpíadas.

Com a garantia da classificação, o Brasil juntou-se a Argentina, Estados Unidos, Canadá, China, Nova Zelândia, Alemanha, Noruega, Suécia, Nigéria, Japão e Coréia do Sul.

Com obrigação de vencer, o vice-campeão do mundo Brasil entrou em campo sentindo a responsabilidade, errando vários lances fáceis no meio-de-campo. As dificuldades iniciais também aconteceram porque a frágil equipe de Gana marcava bem no começo.

A novata Bárbara era uma das que mais sentiu a pressão inicial - também por substituir a experiente Andréa, que não foi liberada pelo seu time para este jogo. A goleira era a única do time titular que participou da campanha da medalha de prata em Atenas.

Mas o nervosismo só durou até Marta brilhar. Foi dela o primeiro lance que tirou um "uuuuh" da torcida, na bola ajeitada por Cristiane na área, que camisa 10 mandou de primeira no travessão.

Na segunda chance que teve, Marta acertou o gol. Aos 18, ela cobrou bem uma falta do bico da grande área, num chute que ficou entre um cruzamento e batida para o gol. A goleira Suleimana fez a sua parte, perdeu o tempo da bola e acabou nem tocando nela. Brasil 1 a 0.

Vencendo, o Brasil recuperou a tranqüilidade e o domínio do jogo. Aí, a melhor qualidade técnica da equipe brasileira pode fazer a diferença. Mostra disto, foi o belo gol marcado por Cristiane. Aos 41, Marta fez grande passe por elevação para a camisa 11, que um toque sutil e encobriu Suleimana.


Toda a dificuldade dos primeiros minutos do jogo foi esquecida completamente no segundo tempo. Tanto que, logo aos 7 minutos, Formiga bate escanteio e Aline, se livrando da marcação, cabeceou firme, no ângulo, no contra pé da goleira Suleimana, para fazer 3 a 0.

O terceiro gol brasileiro mostrou o caminho mais fácil para a Olimpíada: pelo alto. Foi assim que saiu o quarto gol. Depois de uma cobrança falta de Daniela Alves da direita da área ganesa, Cristiane subiu mais que todo mundo e desviou de cabeça para o gol.

Um minuto mais tarde, a receita funcionou novamente. Após bola alçada na área, agora pela esquerda, Cristiane ajeitou de cabeça na segunda trave para a chegada de Rosana, também de cabeça, completar para marcar o quinto gol.

Tinha ficado tão fácil, que o Brasil se deu ao luxo de uma pequena distração. Aos 30, Foriwa fez bom passe para Amankwa, que ganhou da marcação na corrida e tocou na saída de Bárbara para fazer o gol de honra ganês.

sexta-feira, 18 de abril de 2008

Manchester United renova contrato de trio inglês

PETE OLIVER - REUTERS

MANCHESTER, INGLATERRA - Os zagueiros Rio Ferdinand e Wes Brown e o meia Michael Carrick assinaram novos contratos com o Manchester United em Old Trafford, informou o treinador do time, Alex Ferguson, na sexta-feira.

O clube não deu detalhes sobre os acordos, mas acredita-se que Ferdinand, de 29 anos, tenha renovado por cinco anos. Brown, de 28, e Carrick, de 26, também teriam assinado contratos de longo prazo.

"(O time) continua a política de renovar os contratos no tempo certo e mantém a continuidade do time principal, que nós testamos e trabalhamos duro. Não é fácil no mundo de hoje fazer o nosso melhor, mas nós fazemos", disse Ferguson a repórteres.

Brown parecia disposto a deixar Old Trafford no fim da temporada, quando seu contrato terminaria, após ter rejeitado uma proposta de renovação de contrato.

Mas o jogador da seleção inglesa, nascido em Manchester, chegou a um acordo para permanecer no clube no qual esteve por toda a sua carreira. Brown tem sido uma escolha frequente nesta temporada para o time titular, uma vez que o capitão Gary Neville esteve por muito tempo machucado.

"Eu não acho que exista outro clube para Wes Brown a não ser o Manchester United", acrescentou Ferguson. "Ele é um jogador do Manchester United e é isso que eu sinto, então sempre estive confiante". Carrick tem se destacado na temporada, ao ajudar o Manchester a chegar às semifinais da Liga dos Campeões e a liderar a liga inglesa na busca pelo segundo título da liga em dois anos. O Manchester vai ficar mais perto do título se ganhar no sábado do Blackburn Rovers, ficando cinco pontos à frente do Chelsea, restando apenas três jogos para o fim da temporada.

O jogador sérvio Nemanja Vidic volta ao time, depois de ter perdido três jogos devido a uma lesão no joelho. O português Nani também.

Muricy reclama de clima de guerra para a semifinal

Técnico do São Paulo deixa claro insatisfação com bate-boca e polêmicas sobre o jogo de domingo

Redação

Técnico acredita que não terá problemas no Estádio Palestra Itália, para o jogo de domingo

Paulo Liebert/AE

Técnico acredita que não terá problemas no Estádio Palestra Itália, para o jogo de domingo

SÃO PAULO - O técnico Muricy Ramalho, do São Paulo, diz estar tentando evitar que a partida contra o Palmeiras, às 16 horas de domingo, pela volta das semifinais do Paulistão 2008, se torne uma guerra entre os jogadores de ambas as equipe e até mesmo os torcedores. Tudo por causa das polêmicas envolvendo a escolha do Estádio Palestra Itália como sede e a arbitragem da primeira partida.


"As pessoas tem de tomar cuidado quando falam... Dirigente também. Bate-boca não leva a nada no esporte. Depois, acontece uma tragédia e a gente diz que não sabe o motivo. Essa semana teve um bate-boca horrível [entre Toninho Cecílio e Marco Aurélio Cunha], não acrescentou nada ao futebol", reclama.

Ele explica a insatisfação com o caso. "É sempre assim, os caras fazem as coisas e a gente tem de consertar. A gente tem de fazer alguma coisa para melhorar o futebol. Isso aqui é uma rotina chata por esse tipo de coisa. Mas cada um, cada um. Eu não gosto disso e estamos numa democracia onde não temos como intervir".

Muricy diz ainda que a crise fora de campo não vai interferir em seu trabalho e nem deve mexer com quem vai assistir ao jogo. "O torcedor tem de ter calma, ir lá no estádio e torcer normalmente, e ter cuidado na volta. No campo não acontece nada. Eu tenho de melhorar meu time, ganhar jogo, etc. Comigo não tem polêmica. Daqui a pouco esquecem que o mais importante é o jogo em si."

EM CONDIÇÕES
O técnico são-paulino confia de que vai encontrar tudo em ordem no estádio palmeirense. "Sempre fui bem tratado no Palestra Itália e meus times sempre jogaram lá com normalidade. Não posso opinar muito. Ano passado, quando fomos lá, estava bom, sempre foi bom. Se chover prejudica o jogo, não é bom para os dois times", disse.

Muricy opinou ainda sobre a pressão da torcida. "É bom para o jogador local [atuar em casa], a torcida ajuda muito. Para o time adversário não, tem de ser experiente e saber usar a seu favor. A pressão é toda do Palmeiras, que tem de ganhar dentro de casa."

MISTÉRIO SEGUE
Quanto ao time titular, Muricy Ramalho novamente evitou dizer quem vai entrar em campo como titular. Fábio Santos e Junior são os prováveis substitutos de Zé Luís e Richarlyson, suspensos pelo terceiro cartão amarelo. Outro que tem boas chances de jogar é Borges, que volta após suspensão, no lugar de Dagoberto, que iria para o banco. "Temos de ajeitar as possibilidades, não temos muitas alternativas", se resumiu a dizer.

Sobre o afastamento do meio-campo Carlos Alberto pelo presidente Juvenal Juvêncio, o técnico foi objetivo e sem opinião na resposta, ao ser questionado na entrevista coletiva. "O jogador foi afastado pelo presidente, a gente tem de acatar a decisão." (com Agência Estado)

quinta-feira, 17 de abril de 2008

Para Mano Menezes, Corinthians está estagnado

Treinador acredita que time chegou ao seu limite técnico e espera por novos jogadores

Redação

Mano desanimado com situação do Corinthians

Arquivo/AE

Mano desanimado com situação do Corinthians

SÃO PAULO - Aos poucos, o técnico Mano Menezes deixa claro que o foco do Corinthians deve ser a Série B. Após a derrota por 3 a 1 para o Goiás, pela partida de ida das oitavas-de-final da Copa do Brasil, o treinador deixou claro que a meta do clube deve ser a disputa da divisão de acesso do futebol brasileiro.


"Nós temos que ter a consciência de que algo precisa mudar para que o time melhore a cada dia. A equipe deu uma estagnada. Talvez seja porque esteja próximo de seu limite técnico, e a solução é encontrar jogadores, dentro de uma organização tática boa para melhorar a equipe", disse o treinador, que continuou: Quando nós começarmos a Série B teremos idéia do parâmetro do time e do que precisamos fazer. "Temos que fazer isto com os pés no chão. Não podemos sacrificar um jogador a cada jogo."

O pedido do técnico Mano Menezes em contratar atletas, no entanto, não parece ser uma realidade para a diretoria corintiana. Até o momento, o meia Elias, da Ponte Preta, é o mais cotado para ser contratado e assumir a posição de meia na equipe; decisão costumeira da diretoria alvinegra nos últimos tempos. Exemplo disto foi a contratação do meia Héverton justamente junto à Ponte Preta, mas o jogador não deu certo na equipe.

Além de pedir por um meia, Mano Menezes quer um jogador de referência no ataque, já que Herrera, apesar da voluntariedade, não possui tal perfil, e Finazzi parece não ser do agrado do treinador.

ERROS INDIVIDUAIS
A derrota diante do Goiás também evidenciou falhas individuais no time do Corinthians. Mano Menezes, no entanto, preferiu apaziguar os ânimos e não quis "entregar" quais jogadores estariam aquém do esperado. "Os erros individuais tem nos custado muito ultimamente, mas não sou um técnico de transferir os erros. Não podemos deixar que os erros custem tanto. O Goiás também errou, mas se recuperou e mostrou força. É isso que eu quero que minha equipe tenha. Temos que trabalhar o coletivo para que a equipe esteja tranqüila e ciente que pode errar, mas tem que erguer a cabeça e continuar no jogo."

Carlos Alberto se defende de mau comportamento

Ex-São Paulo, meia reforça amizade com Fábio Santos e considera exagerado afastamento, mas acata decisão

Redação

Carlos Alberto ainda não sabe do futuro

Paulo Liebert/AE

Carlos Alberto ainda não sabe do futuro

SÃO PAULO - O meio-campista Carlos Alberto não quer saber de mais confusões e brigas. Em entrevista coletiva nesta quinta-feira na capital paulista, ele não quis dar detalhes dos problemas que lhe fizeram ser dispensado do São Paulo. Disse apenas que considera menos grave o que fez, em relação a Fábio Santos, e que vai torcer para o time tricolor na reta final do Paulistão.

Além disso, ele falou sobre o futuro da carreira e outros problemas. Diz estar recuperado e com o problema de tireóide, que o faz engordar, estar controlado e em condições de jogar por qualquer outro time, que pode ser o Werder Bremen, com quem tem contrato, ou outro qualquer pelo Brasil. Os principais trechos da entrevista foram:

MOTIVO DO AFASTAMENTO
"Quero deixar bem claro que o meu problema foi menos grave. No início eu ia ser poupado, depois afastado, depois reintegrado em 10 dias, daí o Fábio Santos voltou e eu não. Não briguei com ninguém, não vou brigar com o presidente (Juvenal Juvêncio). Se tiver de falar algo, falo na frente, e não nas costas. Antes da decisão, vou lá dar um abraço nos meus amigos, para dar força a eles".

BRIGA COM FÁBIO SANTOS
"Houve uma questão que a gente discutiu [ele e os diretores do clube], não foi por isso que tudo aconteceu. O Fábio Santos é um dos caras que mais gosto lá, e poxa, as pessoas inventam coisas demais, tem muita coisa que não é verdade. Reitero, não brigamos", afirma.

ATRASO NO TREINO
"O atraso? Eu estava na minha casa, fui bem sincero, dormi demais, minha esposa ia ligar para avisar. Se tiver alguma coisa, eu vou ser o primeiro a falar".

BALADAS
"Gosto, gosto muito disso sim. Mas hoje estou mais reservado. Quando tiver de ir, vou, mas vou com minha mulher. No momento certo, não é problema para ninguém. Um dos melhores do mundo, que parou agora, diz que se você corresponde em campo, não tem problema. Eu penso assim."

SAÍDAS PELA PORTA DOS FUNDOS
"No começo fui vendido pelo Werder Bremen, saí pela porta da frente. Vim para cá para tratar e estou saindo esquisito. Do Corinthians já falei, não quero voltar nisso."

PASSAGEM PELO SÃO PAULO
"Valeu a pena sim, fiquei num clube ótimo, cheguei fora de forma, problema de tiróide. Esse problema está totalmente controlado, ao departamento médico do clube só tenho a agradecer. Hoje eu posso manter o que me fizeram."

FUTURO
"Não quiseram contar mais com meus serviços, paciência, a vida segue. Aceitar é uma coisa, acatar é outra. As pessoas não entendem que você pode discordar de uma coisa sem polemizar, aceitei, acatei, mas não acho justa. Eu vou me valorizar sempre, acho que poderia jogar no São Paulo, mas tem outras pessoas que não acharam isso. Me sinto superbem, se tiver de voltar para o Werder Bremen, volto para jogar. Mas tenho a possibilidade de jogar em outro time no Brasil, também."

quarta-feira, 16 de abril de 2008

Carlos Alberto é afastado definitivamente do São Paulo

Meio-campista deve ter contrato rescindido com o time, caso contrário, clube continuará pagando salário

Redação

Carlos Alberto não agradou ao presidente

Arquivo/AE

Carlos Alberto não agradou ao presidente

SÃO PAULO - O meio-campista Carlos Alberto está fora do São Paulo. Salvo uma mudança total de conduta, ele será dispensado pelo presidente Juvenal Juvêncio, insatisfeito com a postura do jogador, contratado do Werder Bremen no começo do ano sob desconfiança do dirigente e por insistência do supervisor de Futebol Marco Aurélio Cunha.

A irritação do presidente são-paulino com o jogador se deve ao fato dele não cumprir com obrigações profissionais como entrar em forma e se dedicar aos treinos. Carlos Alberto está fora do grupo desde a semana retrasada, quando foi multado em 40% do salário e suspenso por causa de atraso ao treino. Além disso, teria se envolvido em uma confusão que culminou com a suspensão do volante Fábio Santos, agora já reintegrado.

Mesmo afastado, o jogador poderá continuar a freqüentar o CCT da Barra Funda, mas somente quando for autorizado pela diretoria são-paulina. Caso o contrato com o São Paulo não seja rescindido, o São Paulo garante que continuará pagando os salários a Carlos Alberto até o fim do contrato de empréstimo, em 10 de junho.

Contratação mais cara da história do time alemão (8,5 milhões de euros, em julho de 2007), o meio-campista, revelado pelo Fluminense, tem um histórico de problemas extra-campo e deve voltar ao time de Bremen no segundo semestre. Ele atuou ainda no Porto e no Corinthians.

Corinthians vai buscar empate em Goiás, avisa Mano

Técnico quer cautela dos jogadores para o duelo desta quarta-feira pela Copa do Brasil

Fábio Hecico - O Estado de S. Paulo

Mano Menezes quer atenção do setor defensivo

Arquivo/AE

Mano Menezes quer atenção do setor defensivo

SÃO PAULO - A torcida do Corinthians dividiu as arquibancadas do Serra Dourada em 2005, quando o time se sagrou campeão brasileiro. Neste ano, nos 6 a 0 sobre o Barras-PI, no mesmo palco - estréia na Copa do Brasil -, teve apoio total. Nesta quarta, às 21h50, diante do Goiás, a equipe paulista também deve ter grande incentivo de seus fiéis torcedores. Mas nada de festa. A ordem do técnico Mano Menezes é evitar o entusiasmo, se precaver e levar pelo menos um ponto para São Paulo, onde a vaga nas quartas-de-final será definida no próximo dia 30.


"Em mata-matas, é bom decidir em casa. Mas desde que o time não traga um resultado tão ruim do duelo de ida", observa o treinador corintiano, sem esconder a preocupação. "Estamos com 100% de aproveitamento, só que uma hora vamos deixar escapar alguns pontos", diz. "Temos de ficar atentos, pois uma derrota pode nos eliminar", enfatiza.

Mano Menezes afirma que as competições por pontos corridos são mais justas. E usa exemplos de diversos times de menor expressão que se dão bem em competições em mata-mata para mostrar a seus atletas que camisa "há muito tempo não ganha jogo". Atualmente, Mano aponta a decisão da Copa da Inglaterra, entre os galeses do Cardiff e os ingleses do Portsmouth, para alertar o time sobre os perigos.

Nada de subestimar o Goiás. Na semana passada os jogadores do Corinthians diziam ser "obrigação" a conquista da Copa do Brasil - para apagar a eliminação prematura no Paulista - e já falavam em ir à Libertadores de 2009. Mano, contudo, não aceita o excesso de confiança. Mesmo com o apoio dos mais de 300 torcedores presentes ao último treino da equipe, nesta terça-feira, no Estádio Onésio Brasileiro Alvarenga, do Vila Nova, arqui-rival do Goiás.


O trabalho foi dedicado a passes, cruzamentos e, principalmente, finalizações. No Brasileiro de 2007, empate por 1 a 1 com o Goiás, no mesmo estádio, o time desperdiçou muitas chances de gols num duelo que podia tê-lo livrado do rebaixamento. Não quer repetir os erros esta noite.

A ordem para os atacantes Herrera e Dentinho - três gols na competição - é não desperdiçar as poucas oportunidades que devem ter. Ciente do peso de marcar gols fora de casa, Mano vai apostar nos contragolpes para pelos menos marcar uma vez no Serra Dourada.

E Dentinho tem boas recordações do local. Seus três gols foram no palco do jogo: diante do frágil Barras. Ele havia prometido de presente de aniversário à sua mãe. O atacante foi um dos ovacionados nesta terça, ao lado do reserva Finazzi, e viu a festa preparada pelos goianos. Cada gol no rachão era comemorado como um título.

Apesar de falar a semana inteira que não pensa em vingança diante do Goiás (com quem lutou contra o rebaixamento ano passado), os corintianos estão loucos para derrubar os goianos. A rivalidade está acirrada e cresceu após as declarações de Hailé Pinheiro, presidente do Conselho Deliberativo do Goiás, que disse que vai "chupar uva", alusão ao uniforme roxo do Corinthians.

terça-feira, 15 de abril de 2008

Brasil treina completo em Pequim para enfrentar Gana

Cristiane, Daniela Alves, Marta, Renata Costa e Rosana se juntaram ao grupo na viagem para a China

Agência Estado

PEQUIM - A seleção brasileira feminina de futebol realizou nesta terça-feira o seu primeiro treino em Pequim, na preparação para o jogo de sábado, contra Gana, valendo vaga para a Olimpíada. O grupo também esteve completo pela primeira vez, desde o início do trabalho ainda na Granja Comary, em Teresópolis (RJ).

O grupo brasileiro treinou por quase um mês no Rio, mas estava desfalcado de algumas jogadoras que atuam na Europa. Assim, Renata Costa e Rosana se juntaram à delegação durante a escala do vôo na Espanha, enquanto Marta, Cristiane e Daniela Alves se apresentaram diretamente em Pequim.

No primeiro treino na China, o trabalho foi leve, apenas para recuperar as jogadoras depois da longa viagem. O jogo de sábado, contra Gana, é a última chance do futebol feminino conseguir vaga para a Olimpíada de Pequim.

Molina: 'Vou jogar com o coração contra o Cúcuta'

Sob olhares do técnico da seleção colombiana, jogador quer classificar o Santos na Copa Libertadores

Sanches Filho - O Estado de S. Paulo

Molina é a aposta de Leão para o jogo desta quarta

Arquivo/AE

Molina é a aposta de Leão para o jogo desta quarta

SANTOS - Maurício Molina promete pôr o coração em campo na noite desta quarta-feira, na Vila Belmiro, contra o Cúcuta Deportivo, da Colômbia. Ajudar o Santos na classificação às oitavas-de-final da Copa Libertadores não é a sua única motivação. Nesta segunda à tarde, o meia recebeu a informação de jornalistas colombianos de que está sendo acompanhado pelo técnico José Pinto, que pretende convocá-lo para o jogo da Colômbia contra o Peru pelas Eliminatórias da Copa 2010. E Molina pretende mostrar na partida desta quarta que os quatro gols e a grande atuação diante do San José não foram um fato isolado e que atravessa uma nova fase na sua carreira. Porém, prefere não fazer promessas.

"Gostaria de marcar quatro gols em todas as partidas, mas isso nem Ronaldo [Fenômeno] consegue. Um jogo é muito diferente do outro", disse o colombiano, referindo-se ao seu fraco rendimento na derrota por 3 a 2 diante do Chivas, em Guadalajara, México, na semana passada.

Para Molina, o principal responsável pela reação do Cúcuta, após a estréia sem gols contra o Santos, em casa, é o técnico Pedro Sarmiento. "Trabalhei com ele no Independiente de Medellin [Colômbia], em 2004, e sei como é o estilo dele. É um técnico que realiza um trabalho tático defensivo muito forte, com duas linhas de quatro, um meia e um centroavante", revelou.

Quando jogava pelo Independiente, de Medellín, Molina enfrentou o Cúcuta, que estava na segunda divisão, apenas duas vezes. Ganhou em casa e perdeu fora. Ele sabe que o Cúcuta atual é muito diferente e embora acompanhe pouco o futebol colombiano, tem a receita para superar a melhor defesa da Libertadores, nesta quarta à noite. "Temos que entrar em campo com a cabeça fria, porque a pressão para que façamos logo o primeiro gol vai ser forte. É preciso furar logo o bloqueio deles, não permitindo que adquiram confiança. Nesse tipo de jogo, o coração é mais importante do que a técnica."

No coletivo desta segunda, Leão voltou a surpreender, escalando o equatoriano Michael Jackson Quiñonez na lateral-direita, além de confirmar o retorno de Rodrigo Tabata, no meio-de-campo, com a saída de Fabão. Denis treinou em outro campo, com o grupo de jogadores que não está sendo utilizado. Adriano, que recupera de contusão no joelho esquerdo, apenas correu em volta dos campos, enquanto Anderson Salles foi o lateral-direito do time reserva.

KLEBER PEREIRA

Não foi possível a diretoria presentear a torcida com a renovação do contrato de Kleber Pereira, ontem, na comemoração do 96.º aniversário do clube. É que o irmão e procurador do jogador, Daniel Pereira, gripado, adiou outra vez a viagem a Santos.

O centroavante admitiu ter assinado um contrato de gaveta com o Santos no ano passado, mas avisa que só continuará na Vila Belmiro com um contrato de dois anos e meio e reajuste salarial. Kleber Pereira confirmou que tem se encontrado com Antônio Carlos Zago, gerente de futebol do Corinthians. "Almoço sempre com ele, mas quase não falamos sobre futebol", despistou.

O presidente Marcelo Teixeira insiste que Kleber Pereira tem contrato até o fim do ano passado. "Se Kleber não se lembra do que assinou, seu irmão [Daniel] deve se lembrar."

Artigo

São os seguintes alguns exemplos de contraste entre os artigos indefinido a(n), definido the, e zero Ø:


1 artigos indefinido a(n) e definido the:

I saw a man (1) and a woman (1). The man (2) was tall and the woman (2) was short.Eu vi um homem e uma mulher. O homem era alto e a mulher era baixa.

(1) emprega-se a(n) quando a palavra é mencionada pela primeira vez, isto é, na primeira frase
(2) emprega-se the quando a palavra é mencionada novamente, isto é, na frase seguinte


You can go to a post office (3) and pay your phone bill.Podes ir a uma estação dos correios e pagar a tua conta telefónica.
You can go to the post office (4) and pay your phone bill.Podes ir à estação dos correios e pagar a tua conta telefónica.

(3) emprega-se a(n) para se referir a qualquer estação dos correios
(4) emprega-se the quando a estação dos correios é conhecida pelos intervenientes



2 artigos indefinido a(n) e zero Ø:

Coffee (1) is no good for you.O café não é bom para ti.
I'd like a coffee (2), please.Quero um café, por favor.

(1) café em geral
(2) somente um café (para beber)



3 artigos definido the e zero Ø:

I like cheese (1).Gosto de queijo.
I like the cheese (2).Gosto do queijo.

(1) queijo em geral
(2) um tipo de queijo que a pessoa acabou de provar


The baby is in bed (3).O bebé está na cama.
Sit on the bed (4).Sente-se na cama.

(3) cama que é utilizada para fins a que foi destinada, isto é, para dormir
(4) cama como base de apoio


He was in hospital (5).Ele esteve no hospital.
He is going to the hospital (6) to meet her.Ele vai para o hospital encontrar-se com ela.

(5) hospital que é utilizado para fins a que foi destinado, isto é, para pacientes
(6) hospital como local de encontro


Water (7) is good for you.A água faz-lhe bem.
The water (8) is good for you.A água faz-lhe bem.

(7) água em geral
(8) os intervenientes sabem de que água estão a falar


He is at home (9)Ele está em casa.
Africa is the home (10) of many wild animals.A África é o lar de muitos animais selvagens.

(9) casa ou apartamento onde a pessoa mora
(10) lugar onde os animais nascem e crescem em grande número

segunda-feira, 14 de abril de 2008

Cruyff acha que Barça tem chances de passar pelo Manchester

Ex-jogador e treinador confia na tradição no confronto diante do líder do Campeonato Inglês, pelas semifinais

EFE

BARCELONA - O holandês Johan Cruyff, ex-treinador do Barcelona, criticou o pessimismo dos torcedores do clube em relação ao confronto com o Manchester United pelas semifinais da Liga dos Campeões no seu artigo desta segunda-feira no jornal espanhol El Periódico.

"Sei que esse pensamento é normal entre os torcedores. Em sua balança, o negativo pesa mais que o positivo. Não compartilho esta opinião", disse.

Cruyff, entretanto, afirmou que o Manchester United é a melhor das três equipes inglesas - os outros dois são Liverpool e Chelsea - classificadas para a semifinal. "O Manchester é o melhor dos três ingleses, mas estou absolutamente convencido que eles pensam exatamente o mesmo do Barça. Acham que o Barça é o mais forte de todos os semifinalistas", insistiu.

Além disso, Cruyff aponta o caminho da vitória para o técnico Frank Rijkaard. "O Barça tem jogadores que podem criar espaços e jogar no um contra um. Aí, Messi é diferente de todos, Bojan é um talento em progressão e Giovani dos Santos é um recurso interessante", declarou.

Ferguson mira jogo contra o Chelsea para ganhar título

REUTERS


LONDRES - O técnico do Manchester United, Alex Ferguson, quer que sua equipe conquiste o título do Campeonato Inglês na partida de 26 de abril derrotando a outro candidato ao troféu, o Chelsea.

O Manchester terminou com as esperanças do Arsenal após derrotá-lo no domingo por 2 x 1, garantindo uma vantagem de nove pontos sobre o rival restando quatro rodadas para o final do torneio.

A equipe de Ferguson, que busca seu segundo título consecutivo, está seis pontos na frente do Chelsea, embora o time londrino possa reduzir para três se vencer o Wigan Athletic nesta segunda-feira no estádio Stamford Bridge.

"Já disse antes da partida com o Arsenal que se ganharmos os próximos três jogos ficaremos com o título", disse Ferguson no site do Manchester. "Se ganharmos os dois seguintes (contra Blackburn Rovers e Chelsea), e tendo em conta nossa boa diferença de gols, conquistaremos a liga."

O Manchester United visita o Blackburn no sábado, e encerra a competição jogando contra West Ham United e Wigan.

O saldo de gols do Manchester é de 54 a favor, enquanto o Chelsea tem 35.

sábado, 12 de abril de 2008

Assis próximo de fechar Ronaldinho com o Milan

Irmão e agente do meia-atacante está na Itália e o negócio só depende de detalhes para ser fechado

Luis Augusto Mônaco - Jornal da Tarde


SÃO PAULO - A chance de Ronaldinho Gaúcho defender o Milan é grande e está perto de ser concretizada. O irmão e agente do meia-atacante do Barcelona, Assis, tem autorização para conversar com o time italiano e o negócio pode ser fechado nos próximos dias. Ele está em Milão para acertar os detalhes e já deixou quase tudo adiantado.



Tudo depende da eleição do presidente Silvio Berlusconi a primeiro-ministro do país (as eleições ocorrem neste fim de semana). É que a partir disso ele poderia voltar sua atenção ao time que é dono. E interesse não falta, já que o próprio clube anunciou acreditar na contratação.

Torcedor faz festa no último treino do Palmeiras

Torcida comparece em peso, com gritos de guerra, fogos de artifícios e fumaças verde e branca na Academia

Redação

Valdivia foi o jogador mais festejado pelos torcedores no treino do Palmerias neste sábado

Arquivo/AE

Valdivia foi o jogador mais festejado pelos torcedores no treino do Palmerias neste sábado

SÃO PAULO - Em um dia de pouca movimentação no gramado, na Academia de Futebol, quem ganhou o dia foi o torcedor do Palmeiras, que compareceu em peso neste sábado para acompanhar o último treino do time antes da primeira partida da semifinal do Campeonato Paulista, no domingo, contra o São Paulo.

Assim como o técnico Vanderlei Luxemburgo pediu, o torcedor apareceu para e, com gritos de guerra, fogos de artifícios e fumaças verde e branca, festejou principalmente o ídolo Valdivia, quando o chileno entrou no gramado para participar do treino recreativo.

Rival do Palmeiras na semifinal, o São Paulo treina neste sábado apenas no período da tarde.

sexta-feira, 11 de abril de 2008

Adriano pede ao time: 'Não podemos perder a cabeça'

mperador reconhece má fase do São Paulo e pede para companheiros se concentrarem no Palmeiras

Redação

Adriano enxuga o suor após gol do Audax

Santiago Llanquin/AP

Adriano enxuga o suor após gol do Audax

SÃO PAULO - O atacante Adriano lamentou a derrota do São Paulo para o Audax Italiano na Copa Libertadores por 1 a 0, resultado que complicou a situação do time. O Imperador espera que o tropeço não interfira no rendimento no clássico do próximo domingo contra o Palmeiras, no Estádio do Morumbi, pelas semifinais do Campeonato Paulista.

"Não podemos perder a cabeça. Essas coisas [derrota no futebol] fazem parte da vida", afirma Adriano em entrevista coletiva no Estádio Nacional, em Santiago (CHI). "Nem sempre a gente vai sair dos jogos com vitória. É verdade que não estivemos bem contra o Audax, mas futebol é imprevisível."

Para Adriano, a vitória sobre o Palmeiras será fundamental para elevar o ânimo do grupo, abalado pela briga entre Carlos Alberto e Fábio Santos. "Agora temos de manter a tranqüilidade. Domingo temos um jogo muito importante. Nós temos de levantar a cabeça para buscar a vitória."

LECO DISPARA

O vice-presidente de futebol do São Paulo, Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, criticou o time após a derrota no Chile. "Nosso futebol não está no nível dos altos investimentos que fizemos na temporada. Essa derrota é surpreendente. Esperávamos sair do Chile classificados."

quinta-feira, 10 de abril de 2008

Corinthians tenta proteger Lulinha das críticas

Diretoria teme que má fase do atleta prejudique uma transferência para o exterior; multa é de R$ 85 milhões

Marcel Rizzo - Jornal da Tarde


Lulinha não vive boa fase pelo Corinthians

Arquivo/AE

Lulinha não vive boa fase pelo Corinthians

SÃO PAULO - Lulinha é hoje, ao lado de Dentinho, a "galinha de ovos de ouro" do Corinthians. Por isso mesmo, ganhou gordo aumento salarial no final do ano passado, o que elevou sua multa rescisória para R$ 85 milhões. Tudo graças às atuações de gala na categoria de base do clube.

Mas 2008 começou e o que seria o ano do reconhecimento do garoto de 17 anos se transformou na temporada de blindar a revelação. A diretoria corintiana entendeu que poderia "queimar" Lulinha se ele continuasse jogando mal e sendo criticado pela torcida, o que inviabilizaria uma futura venda milionária, como foi a do meia William.

No ano passado, William jogou pouco tempo com a camisa de titular do Corinthians e já foi vendido para o Shakhtar Donetsk, da Ucrânia, o que rendeu R$ 25,5 milhões aos cofres corintianos. E o plano da diretoria era conseguir algo similar com Lulinha.

As vaias da torcida, no entanto, fizeram com que fosse dado um tempo para Lulinha. Tudo de acordo com o técnico Mano Menezes, que sentiu que poderia prejudicar o time tecnicamente se o garoto seguisse como titular nesta fase ruim que ele está passando.

"Lulinha é o nosso patrimônio. Não podemos nos arriscar a perdê-lo", admitiu o vice-presidente de futebol do Corinthians, Mário Gobbi. Não houve, no entanto, uma determinação específica da diretoria para o treinador a fim de evitar a escalação de Lulinha, principalmente nos jogos em São Paulo, onde ele era mais criticado. Mas, em conversa informal, tanto Mário Gobbi quanto Mano Menezes entenderam que era o momento de preservar o atleta.

Os números mostram exatamente quando começou essa blindagem: após a derrota de 1 a 0 para o Palmeiras, em 2 de março, pelo Paulistão. Neste jogo, Lulinha foi vaiado pela torcida e criticado até por companheiros dentro de campo. O capitão William não poupou palavrões, dentro de campo, para cobrar o meia por não ter passado bola para André Santos, melhor colocado em lance que seria decisivo.

Antes daquela partida, o Corinthians havia feito 12 jogos e Lulinha só não tinha entrado em um. Na seqüência, foram nove duelos e o meia ficou fora de quatro. Voltou a ser titular contra o Noroeste, domingo passado, porque Diogo Rincón estava suspenso. "Sei que sou novo e que tenho tempo para estourar. Não fico chateado de não jogar. É a posição do técnico e respeito", afirmou o garoto.

A atual diretoria diagnosticou o problema de Lulinha: ter sido lançado na fogueira no ano passado. Na ocasião, o jovem meia teve que ser a solução para livrar o time corintiano do rebaixamento no Campeonato Brasileiro. Mas ele não agüentou a pressão, principalmente porque chegava ao profissional com fama de fenômeno: em contagem não oficial, diz ter feito 297 gols nas categorias de base.